03/03/2009

Breve Dicionário Enciclopédico "La Petite Pipe"

Chamada para Tóquio: serviço de roaming da Hoptymush especialmente orientado para o mercado asiático. Pode ser utilizado entre dois números associados entre si, num contacto ocasional ou em alternativa a pagar no destinatário (onde se verifica uma grande diversidade de preços, dependendo do modelo).

Foi popularizado através do slogan "Fale à glande! Fale até à galganta! Falal assim é Hoptymush!"



Cinto de ligas: massa de tecido conjuntivo (cujas células armazenam energia sob forma de gordura) localizada imediatamente acima da cintura dos homens portugueses.

O desenvolvimento do cinto de ligas relaciona-se com os padrões de consumo de cerveja ao assistir a jogos de futebol da 1ª Liga, Liga Inglesa, Liga Espanhola e suas congéneres. Constitui um elemento de reforço dos lacinhos sociais, dado que uma grande parte dos homens preza mostrar o seu cinto de ligas aos amigos, havendo até disputas sobre quem o tem maior. É usual os homens admirarem e comentarem os cintos de ligas dos amigos, dado ser um fenómeno plenamente aceite pela matriz social actual.

É de interesse observar que as mulheres recorrentemente tendem a preferir modelos mais pequenos, de forma a que o cinto de ligas seja menos visível sob as roupas do seu companheiro.

Serve também de elemento de afirmação, dada uma larga franja da população masculina considerar que homem que é homem usa cinto de ligas.



Perder os três: Apostasia (em grego antigo απόστασις [apóstasis], "estar longe de")

s. f.,
abjuração;
defecção;
deserção da fé;

Diz-se que "perdeu os três" aquele que renunciou e se afastou de forma definitiva da Igreja Cristã, rejeitando todas as suas tradições e ensinamentos, perdendo assim O Pai, O Filho e O Espírito Santo. Amén.

Origem de "tirar os três", expressão que descreve o acto amiúde de alguns padres de visão progressista, que visam dessa forma atrair jovens cordeiros para o rebanho de Deus, prática bem conhecida nos anais da Igreja Cristã.



Skoda Fabia: antigo texto sobre a sexualidade masculina, oriundo do Iémen do Sul, estudado e trazido à luz pelo académico H. Ramos.

O Skoda Fabia pretende representar o ciclo da sexualidade masculina, desde a puberdade até à vida madura, sistematizando os diferentes momentos da mesma e sistematizado pelos seus três anagramas:

- Fada Skobia: é o momento da descoberta da sexualidade por parte do púbere, que assim se desinteressa da Fada Madrinha e se dedica apaixonadamente a temáticas mais palpáveis;

- Biko Safada: Período de exaltação da sexualidade, caracterizado pela descoberta de novas práticas levadas a cabo de forma descomprometida e ocasional. Considerada por muitos como a etapa sexual mais estimulante e diversificada. É também nesta altura que o homem decide abdicar da Fada Skobia para sempre.

- Foda Basika: Altura da maturidade sexual, em que o homem se uniu a uma mulher de forma definiva. Traduz uma substituição substancial da excitação pelo afecto, relegando para segundo plano os aspectos mais instintivos da sexualidade. Tende a ser caracterizada por um grande sentimento de nostalgia, em que o homem relembra com profunda saudade o período Biko Safada e redescobre as alegrias da Fada Skobia.

1 comentário:

marluzluanda disse...

Não me ocorre mais nada:

Quiá, quiá, quiá, quiá, quiá ;)